CIP vs. RAVE

Quando em Setembro escrevi aqui, que mesmo fazendo um esforço para acreditar no que as pessoas se esforçam por dizer, o estudo da CIP, feito com a contribuição monetária de alguns empresários em defesa do interesse nacional(?), não garantia, que um qualquer mas mais credível respaldo técnico encontrado pelo LNEC, não viesse a reequacionar a questão OTA.
Então, estava longe de pensar que isso aconteceria tão cedo e pela mão de Carlos Fernandes administrador da RAVE. Desconfiava, porque sou pessoa de vastos e variados defeitos que, só pretendiam calar o ponto de vista de um significativo número de gente, que distribuía gratuitamente mas com insistência, carradas de opiniões de vasto e sumarento apoio cientifico pelos media e pela blogosfera, e nunca alterar a solução OTA.

Os argumentos, pondo em causa a ligação do TGV ao aeroporto de Alcochete, devido a custos não contabilizados pela CIP no valor de 1,700 milhões de euros e outros, começaram ontem a ser esgrimidos num seminário promovido pelo Diário Económico.
Antes do LNEC vir a jogo com os argumentos finais, a CIP, terá agora de se aplicar nos treinos, abrir o jogo e mostrar até onde está disposta a ir na defesa do interesse nacional.

4 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

Pois é mas, em meu entender, nem OTA nem Alcochete: Portela+1.
Agora a escolha da Ota ou de Alcochete depende não dos estudos que esses já estão feitos há quase uma década, mas da correlação das forças em presença.

Polly Jean disse...

Será que vamos ter empenho suficiente? ´
Parece-me que sou pessimista...
interesse nacional? Por cá?

Tiago R Cardoso disse...

Interessante foi o recuo do presidente da CIP, muito interessante.

paper-life disse...

Vai uma apostinha de que o aeroporto vai ser na OTA? Vai? :)

Agora deu-me para o jogo. lol
BFS Bj