Dos meus folheios.

Ela queria construir a estrela da sua integridade sobre o dorso do tempo.
Repousava na embriaguez da sua espera, respirava o frémito de um silêncio amoroso.
No limiar da dança, contemplava os minúsculos astros da sua morada nua.
Caminhava abraçando o espaço e modelando no ar a sua identidade de água errante.
Ela construía o reconhecimento de uma aparição que fosse a evidência do seu olhar aberto e livre.

António Ramos Rosa

10 comentários:

RS disse...

Ás letras junto a música, pois tenho uma sugestão musical a que poderás ter mais acesso em Lisboa que eu no Porto.
(Apenas uma apresentação na Casa Da Música, penso eu...)
Será por volta da hora do almoço de amanhã, n'A Sombra. :)
(agora deu-me para os "drafts")

Boas leituras,
RS

(Eu ando ás voltas com o Finkelstein, mais indigesto - don't ask!)
hehehe

Maite disse...

Caro PiresF

Volto mais tarde para ler com mais atenção esta pérola

Bom dia para si :)

sabr disse...

Uma evocação perfeita. Bom dia Pires, abraço.

Teresa Durães disse...

gostei bastante

bom dia!

cilene disse...

bom fim de semana...

a rasar o ceu disse...

ELA RECONHECIA-SE...PLURAL e unívoca à roda de uma fogueira.

sempre no sentido maior do fogo. na expectativa das folhas e das árvores.


(bonito este "folheio")


beijo.

tb disse...

Um escritor de mão cheia. Uma escolha de mestre que possui a sensibilidade para o fazer. O resultado é a beleza!
Um grande abraço

mac disse...

Acho que integridade e o factor tempo não andam de mãos dadas. Quando somos jovens e idealistas, lutamos por esse valor. Mas depois o tempo passa, as rodas das organizações passam sobre o nosso molde, e deixa-se cair a integridade pelo chão. Espero sinceramente que isto seja apenas o meu pessimismo a falar, mas pelos exemplos que vejo...

Bill disse...

Belas palavras...
Perfeita simetria de sentidos e pensamentos.
ADorei.

Bom fim de semana amigo.

[s]s

Menina_marota disse...

As palavras mágicas de Ramos Rosa...
Um abraço e bom fim de semana ;)