Um novo rumo para Portugal - Parte XI



George Agostinho Baptista da Silva, de seu nome completo, aprende a ler aos 4 anos, é fundador do Centro de Estudos de filologia da Universidade de Lisboa. É bolseiro em França e Espanha onde aprofunda conhecimentos em história, filosofia e literatura.

Lança em Portugal uma série de opúsculos de teor enciclopédico e em 1943, um desses cadernos, "O Cristianismo", provoca alguma celeuma nos meios católicos mais conservadores. O envio de uma carta ao cardeal patriarca de Lisboa e os acontecimentos anteriores levam à sua detenção no Aljube. Um grupo de sacerdotes de Braga promove, entretanto, uma autêntica cruzada contra a sua pessoa, que culmina com a sua excomunhão.

Cansado de Portugal, emigra para o Brasil na busca de novos caminhos.
Com o entusiasmo e o vanguardismo que sempre caracterizaram o seu percurso, ajuda a fundar universidades e cria diversos centros de estudos portugueses, regressando a Portugal em 1969, onde ao longo de mais de duas intensas décadas continua a lutar pela união da comunidade de língua portuguesa no mundo.
Dominando quinze línguas, o seu universalismo cultural eleva-o a cidadão do mundo.

Quando inquirido por Luís Machado, na sua última conversa tornada pública, (1) sobre o seu antieuropeísmo, respondeu que realmente não morre de amores pela Europa, adiantando: Mas será que a Europa julga que pode governar sem a Península, sobretudo sendo ela, como é, duplamente mediterrânica? É bom lembrarmo-nos que foi essa Península que construiu o Bundest Bank e outras coisas de grande dimensão.
[…] Talvez seja realmente menos pró-europeu, porque entendo que cabe à Península comandar essa união, sem a menor hesitação, e não só deve como pode fazê-lo.


(1) – A Última Conversa, Agostinho da Silva, da casa das Letras

8 comentários:

Mocho Falante disse...

olá viva

vim navegando navegando e dei com o teu poiso que me agradou imenso...parabens!

Abraços

paper life disse...

Por acaso tb não morro de amores pela Europa ( e eu não acredito no acaso.) :)

PiresF disse...

Mocho Falante!

Já te visitei e gostei da tua “árvore”.

Um abraço.

...........................

Pois Claro!

Bem dito. Eheheh!!!

Grande abraço.

LM disse...

Pires,
A falta que (nos) faz aquela inteligência tão singela!!

PiresF disse...

LM!

Pior é a sua obra ser tão pouco conhecida, porque acredito, que quem lê pela primeira vez alguns estudos dele, tem forçosamente de querer ler mais.
Lembro-me de ele contar, que em determinado ano lectivo ter começado a falar para uma audiência de meia dúzia de alunos e no final do ano, não haver espaço no anfiteatro para entrarem mais alunos que o queriam simplesmente ouvir.

Grande abraço.

sá morais disse...

Mais um post de grande interesse didáctico do amigo Pires. Força!

Anónimo disse...

Where did you find it? Interesting read » »

Anónimo disse...

That's a great story. Waiting for more. At home answering service jobs Karachi stock exchange pakistan Joiht pain relief http://www.pay-per-click-4.info Buying butalbital The westing game byellen raskin adult toys norton antispam 2005 keygen Cheap paxil order online taxi eyeglass frames eyewear Celebrex doctormedic com Poker clipart camping cambrils Home nc security system funny t shirt cheap moving companies Tops weight loss adipex diet pill