A Arte da Viagem.


Vamos fazer uma história? Perguntou com aparente despropósito enquanto olhava o quadro. Era useira e vezeira nestes pedidos tão inocentes como a frescura das manhãs. Bastava que algo lhe remexesse o subconsciente para o seu anti-racionalismo se manifestar e começar a deambular pela fértil árvore da imaginação.
Eu sabia que ela esperava e sabia o motivo do pedido: aquele quadro de Madoz que muitos veriam com a costumeira e providencial simplicidade de quem não ousa imaginar, não era o seu caso. Tinha pela vida um ávido interesse e via sempre mais, muito mais. Via significações simbólicas, metáforas e imagens onde outros não passavam da primeira e impenetrável camada brilhante. Vivia intensamente as sensações sem nunca achar que a vida era bastante, como se não soubesse ser outra coisa.
Lembrei-me de uma conversa há dias atrás acerca da arte contemporânea e da discussão que hoje se faz sobre a espontaneidade necessária e, agora, aqui estava a admirar a obra deste artista espanhol que dizia a propósito, só lhe interessar a técnica enquanto lhe permitisse obter os resultados desejados.Também ele era fértil em simbolismos estéticos e por isso a sua exposição, aqui na Galérie Fréderic Bazile, em Montpellier, era de um refinado humor surreal que punha à prova a magia da nossa psique, a magia que fascina os poetas e os leitores de poesia.

Bem… ela esperava, e a melhor maneira de viajar é partir e sentir!
Peguei-lhe na mão e dirigimo-nos ao banco em frente da fotografia de um relógio com uma correia que a imaginação simulava já ser uma linha férrea. Aquela imagem já não era física, era alma. Ela já não era corpo, era aura a planar sobre o momento.
Antes de nos sentarmos disse-lhe: - Chegámos a tempo, o comboio estava quase a partir e a manhã está a raiar. Vamos largar por aí fora!
Ela então, soleníssima, olhou-me e disse: - Pai… tens a certeza que este é o comboio do Tua? Pisquei-lhe o olho em sinal afirmativo e coloquei o dedo na boca como que a pedir respeito. Recostou-se no banco. Do seu ponto de partida olhava de sentimento distraído o quadro, quando, quebrando o impenetrável silêncio disse com um sorriso deliciado: - Que bom… adoro a paisagem do Douro…
Também eu… pensei com uma oculta e absurda vontade de soluçar.
…Perde-te, transcende-te minha filha… a meio caminho viajaremos pelos campos extensos do tempo da minha infância. O preço do sonho é a vida.

28 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

o preço do sonho é tantas vezes a morte!

que aqui seja sempre recompensador.
.
.
sonhar.


beijo.

Anónimo disse...

a arte de surpreender!


a arte de imitar a vida imitando a vontade de sonhar.


beijo.


voltei.

e re.volto.

imf

ângela marques disse...

poças!.........

e eu quase a chorar...



sonhemos,sim.

beijo, meu amigo

simplesmenteeu disse...

A arte de saber viajar pelas ruas do sonho!

Constuir e reconstruir, pedra a pedra, voo a voo... Porque esta é a única maneira de dar a volta à vida...

Um beijo

Anónimo disse...

uma técnica irrepreensível de planar sobre a escrita....na surpresa de surpreender o leitor.



uma largada de palavras que do simbólico faz rede. e espanto final.



bom dia Espreitador!


y.

Anónimo disse...

Um conto e um papel activo pela sua mão,

um caso de filosofia e conhecimento
na educação.

A existência precede a essência, não é amigo?

Com um beijo colorido pelas cores da Primavera.

P

Bill disse...

E como é bom voltar a ler-te, voltar e deixar tu guiar a imaginação na ponta de cada letra...

Fiquei a imagina, o tempo de infância e de todo sonho que se perdeu e se encontrou... O preço dos dias são as sombras dos proximos passos.

Maravilhosamente escrito, como é de costume.

[=

[s]s

M disse...

Eu estava a gostar! Imaginava que a miúda era uma sortuda porque sabia apreciar um quadro. Um dia estava eu sentada frente a um quadro de Monet no Pompidou em Paris e um velhote aproximou-se e disse-me: sabes como se aprecia uma obra de arte? entra-se nela e sonha-se. Só acordas quando alguém te chamar.

e tinhas de vir estragar tudo com mais um final (daqueles teus macabritos) que me deixou arrepiada, porque me recorda tragédia...

pronto, não tens culpa Escritor. Mas despertas a imaginação, e com um certo impacto!

Fui.

Beijo

isabel mendes ferreira disse...

obrigada pelo comentário no meu amigo Al.


mas dos dois ele sim!

É!



beijo.

Graça Pires disse...

A arte de inventar uma infância para sonhar...
Um beijo primo.

sarasvati disse...

Bela narrativa de um belíssimo encontro.

De facto a melhor maneira de viajar é "sentir".

Parabéns pelo texto e pelo afecto. :)

casa de passe disse...

Espreitando...
o espreitador............


Com um abraço
da
NINI

Mar Arável disse...

Pois meu amigo

sonhar

é um caminho

de vontades

e se assim for

não tem preço

Bem estruturado o texto

como sempre

triliti star disse...

o artista pintou.



outros artistas vêem e sentem. todos sentem de maneira diferente porque olhando o mesmo todos vêem diferente.


abraço

RS disse...

"O preço do Sonho é a vida"...
Caro Pires, após ter iniciado a perseguição do meu sonho, que me trouxe tão longe, estas palavras têm um sabor diverso...
Para já um grande abraço.

(sim - voltei)

Diogo disse...

Por outro lado:

Hitler ensaiou infrutiferamente obter financiamentos na blogosfera

Refugiado num bunker em Berlim, dias antes da data do seu suicídio, a 30 de Abril de 1945, Hitler é confrontado pelos seus generais com o fracasso total do seu blog, donde esperava receitas suplementares que lhe permitissem prolongar a guerra.

No auge do desespero, Hitler dispara em todas as direcções e nem sequer poupa os outros bloggers, revelando-se especialmente virulento com o Blasfémias, o Arrastão, o Causa Nossa, etc.

Vídeo legendado em português

M. disse...

Por curiosidade,espreitei o blog Diogo. Pasmo! Adorei!!! É exactamente com isto que lidamos.

PiresF que vontade teria, se não fosse uma lerda em inventar coisas com o teclado de aplicar este exemplo a tanta coisa que anda por aí..

beijos. um domingo excelente que é o meu último em liberdade. aii

R. Rudoisxis disse...

Por momento senti-me dentro da carruagem como personagem invisivel. Senti uma ligação ao fluir do pensamento em viagens reais no imaginário em que encontros acontecem e em que a magia de momentos faz com que as personagens reais do imaginário se pintem com a utópica tinta invisivel, sendo que o mais importante na vida não é visto com os olhos fisicos mas sim com os da alma.
Curiosamente nunca me tinha debruçado intensamente sobre os teus escritos embora por vezes em pequenos textos me tivesse apercebido do seu alcance.
Um abraço e até que de repente a tinta mágica deixe de ter efeito e a minha imagem se revele.

Diogo disse...

Você é um bom contador de histórias PiresF. Não estará na altura de se abalançar e escrever um livro. Ou um livro dos seus melhores contos?

Abraço

sa morais disse...

Mais um conto do artifice da escrita... Isto já começa a pedir algo mais fora da... internet!

Abraço!

Mié disse...

Gostei do " anti-racionalismo", só assim se sonha e se vê o que mais ninguém vê.

Belo conto...ainda para mais com o Douro em pano de fundo.

e calo-me que já não consigo dizer em noite de insónia...

um grande beijo

fica bem

A Senhora disse...

E eu, que já preciso de pouca imagem para fazer história, embarquei na sua...

Delícia!

bjs

Anónimo disse...

Caro amigo

Estou de partida.
Vou fazer mais uma experiência em PONTO CIRÚRGICO.

Em breve estarei de volta.

Deixo-lhe um beijo.

P

audrey disse...

e eu que adoro comboios.......

(um abraço...)

Tchi disse...

E a vida não tem preço.

Abraço grande.

Susana disse...

Boa tarde, em nome da organização de blogagem colectiva Aldeia da Minha Vida, quero agradecer a sua participação, na qualidade de leitor(a) e eleitor(a) pelo seu contributo para o sucesso da mesma.
Dia 30 de Junho serão publicados os resultados.
Susana Falhas

Susana disse...

Olá!

A blogagem da Aldeia da Minha Vida foi um grande sucesso, graças à sua participação e divulgação.

Convido-o(a) a participar na próxima blogagem de Julho “ Férias na Minha Terra”.

É uma oportunidade única para demonstrar a todos que vale a pena passar férias no nosso país, especialmente na nossa querida terra, seja ela aldeia, vila ou cidade.

Inscreva-se e mande o seu texto até 7 de Julho para o seguinte e-mail: aminhaldeia@sapo.pt

Para premiar a sua participação, vamos atribuir ao melhor post um fantástico prémio e ao melhor comentário também.

Muito obrigado pela sua atenção!

Votos de um feliz dia!

Susana Falhas

casa de passe disse...

Se o preço do sonho é a vida

então que posso dizer duma vida sem sonhos?

apenas realidades e, a nossa é a "Casa".

(quem não vive como pensa, acaba por pensar como vive...)

Um abraço amigo para si!

LOULOU