"Escritores da Liberdade"


Varias vezes o disse, até com justificações desnecessárias para correcto entendimento da coisa que, não sou adepto da cegarrega das correntes. No entanto, este não gostar, não pode ser levado em desmesurada conta porque existem situações; na blogosfera, nos rios e mares, na terra e nos pedregulhos, na vida - mesmo na dos peixes de aquário -, no mundo que conhecemos e no que havemos de continuar a desconhecer devido às descabeladas opiniões com que lhe medimos a temperatura, em tudo, em tudo, enfim… que mesmo não nos apetecendo nada nos levam à excepção.
Este é mais um desses casos onde, com surpresa, vi a GI do “Pequenos Nadas” dar-me o prémio “Escritores da Liberdade” há muito merecido e que, com maior ou menor incidência dos holofotes, me torna parte daquela pequena confraria reconhecida em vida útil e afasta de vez o receio de que, quem me lê não saiba que sou um escritor da liberdade, mas - há sempre um mas -, passou-me no mesmo embrulho, coisa a que já não achei grande piada mas que também não é nenhuma desgraça, esta corrente onde tenho de atribuir apesar de me custar imenso, o prémio ganho com suor e lágrimas - só Deus e eu sabemos, só Deus e eu, caramba - a 5 bloggers merecedores, ou pelo menos que se aproximem disso.
Ora, tal tarefa, não é nada fácil como compreenderão, mas por respeito, com enorme esforço pessoal e depois de longas noites em claro devido à necessária e imprescindível pesquisa por essa blogosfera fora, separando o populismo do trigo que nos dá força e donde irradia a luz do inconformismo, aqui ficam, escolhidos entre um impressionante número de arrojada maltesaria, os cinco eleitos por mérito ou falta de comparência de adversários merecedores deste importante prémio por onde o acordo ortográfico não passou, que o deverão levar sem delongas, sem os habituais agradecimentos ao papá e à mamã, atribuindo-o a outros tantos como castigo.

Arrumados os fait-divers, são eles:


Rui Martins – Quintos







10 comentários:

Cristina disse...

eia, o reencontro logo com um prémio! e depois dessa tão responsabilizante introdução, só posso fazer a minha melhor vénia e dizer obrigada.

um abraço grande.

Kaos disse...

Como o papá diz que não quer agradecimentos, não o faço, mas tenho pelo menos de dizer que é uma honra, sobretudo vindo de quem vem.
Um abraço

Bill disse...

Prémio muito merecido claro, sem duvida alguma.

Parabéns amigo.

E belas indicações (=

Abraços

[s]s

hora tardia disse...

:) beijo. mais que merecido.




______________.

madalena disse...

Ora então parabéns pelo reconhecimento.

Dos teus nomeados só conheço o Kaos suficientemente para concordar. Ando muito arredia do mumdo blogueiro. Mea culpa.Bj

Davi Reis disse...

Caro Pires,

já dei o devido seguimento. É uma honra. A pequena mensagem que aqui não te deixo (por manifesta falta de tempo) encontra-se no local devido.

Um forte abraço fraterno

Clavis disse...

E um Bem Haja pela selecção, Pires!
E já agora... Convido-o a passar pela http://novaaguia.blogspot.com/
encontrará lá algumas ideias com que sei que concorda e... cá o dito.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Parabéns a ti e a todos os que escolheste. Se por um lado não é lógico que os blogues sirvam, quase em exclusivo, para passar correntes a verdade é que nos sentimos nais reconfortados e apoiados quando se lembram de nós, quando sentimos essa dose de afecto.
Por essa razão e, sem exageros, vivam as correntes!


Tenho andado ausente por motivo de saúde de familiares e amigos próximos. Porém agora que "regressei", tenho no Silêncio Culpado um texto em que me identifico (nome e rosto) fazendo cair o tabu do Silêncio.

Gi disse...

;)

Depois de te ler ainda mais convencida fiquei que fiz a escolha acertada.

Precisava de um sorriso. Levo-o daqui. Obrigada por isso (também)

Beijinhos

sa morais disse...

Pois, não queres agradecimentos, mas obrigado!! Mesmo sabendo que a nível estilistico ( escrita e imagem ) o meu blog não é grande espingarda, para além de andar a meio gás... Mas escrevo por lá muito do que me vai na alma, nem sempre com a objectividade necessária, ausente de quem ferve em pouca água... Mas realmente, liberdade não me falta... Ehehh!

O problema é que quando nomear, a coisa pode fazer ricochete... :)

Abraços!