O caso mental Português

Acerca do caso mental Português, Fernando Pessoa publica no nº 1 da Fama em 30 de Novembro de 1932, um longo artigo em que analisa o estado da nossa mentalidade.
Começa por dividi-la em três classes mentais, baixa, média e escol (elite) e explica caso a caso porque as qualifica de provincianas.
Desse texto, decidimos retirar dois excertos, que transcrevemos a seguir:

[…] Alguns escritores e artistas que são homens de talento; se algum deles o é de génio, não sabemos, nem para o caso importa. Nesses, evidentemente, não se pode revelar em absoluto o espírito de imitação, pois isso importaria a ausência de originalidade, e esta a ausência de talento. Esses nossos escritores e artistas são, porém, originais uma só vez, que é a inevitável. Depois disso, não evoluem, não crescem; fixado esse primeiro momento, vivem parasitas de si mesmos, plagiando-se indefinidamente. A tal ponto isto é assim, que não há, por exemplo, poeta nosso presente - dos célebres, pelo menos - que não fique completamente lido quando incompletamente lido, em que a parte não seja igual ao todo. E se em um ou outro se nota, em certa altura, o que parece ser uma modificação da sua «maneira», a análise revelará que a modificação foi regressiva: o poeta ou perdeu a originalidade e assim ficou diferente pelo processo simples de ficar inferior, ou decidiu começar a imitar outros por impotência de progredir de dentro, ou resolveu, por cansaço, atrelar a carroça do seu estro ao burro de uma doutrina externa, como o catolicismo ou o internacionalismo. Descrevo abstractamente, mas os casos que descrevo são concretos; não preciso de explicar, porque não junto a cada exemplo o nome do indivíduo que mo fornece.

[…] O nosso escol político não tem ideias excepto sobre política, e as que tem sobre política são servilmente plagiadas do estrangeiro – aceites, não porque sejam boas, mas porque são francesas ou italianas, ou russas, ou o quer que seja. O nosso escol literário é ainda pior: nem sobre literatura tem ideias. Seria trágico, à força de deixar de ser cómico, o resultado de uma investigação sobre, por exemplo, as ideias dos nossos poetas célebres. Já não quero que se submetesse qualquer deles ao enxovalho de lhe perguntar o que é a filosofia de Kant ou a teoria da evolução. Bastaria submetê-lo ao enxovalho maior de lhe perguntar o que é o ritmo.

5 comentários:

Rui Martins disse...

Ontem como Hoje, é caso para dizer... O problema português sempre foi um problema de elites ou da falta de qualificação destas!

P.S.: Voçê de facto é muito popular entre os spammers!

PiresF disse...

Parece que sim, creio que vou ter de optar por aderir ao anti-spam do blogger, mesmo achando que é um procedimento chato, obrigar as pessoas a escrever aqueles códigos.

PiresF disse...

Rui!
Por ser interessantíssimo, enviei-te por e-mail, o artigo completo.

Anónimo disse...

Best regards from NY! Where can i get proactiv solution ramirez bookkeeping services pacoima ca dessous sex area rugs cotton shag Machines ice

Anónimo disse...

That's a great story. Waiting for more. » » »