A Orgia Estéril da Mentira… (*)

Descalcei-me e enterrei os pés na areia húmida da chuva que caíra pela manhã. A sensação, enquanto olhava o mar cinzento e chão, dos grãos de areia entre os dedos era relaxante … era o momento de preia-mar, onde pequenas ondas num bailado repetitivo lambiam a areia e bandos de gaivotas esperavam pela noite. Muito cedo, pensei… falta uma boa hora para o crepúsculo as abraçar… o céu, carregado de nuvens, denunciava que a noite não seria serena nem de luar.
Embriagado indolentemente pelo cheiro da maresia e o som cadenciado da rebentação, via-a ao longe e fixei-a enquanto caminhava na beira do mar. À medida que se aproximava admirei-lhe a forma esguia, o cabelo negro solto ao vento e o vestido leve. Vinha descalça, com uma toalha azul pendendo da mão. Nisto, e sem que algo o fizesse prever, virou-se repentinamente e caminhou na minha direcção.
Em choque de prazer, olhei-a com inconsciente e estéril pensamento. Que quereria aquela insólita e linda sereia de mim?… Parou quando chegou perto e depois de um instante cumprimentou: - Olá, boa tarde. Respondi-lhe dizendo que a tarde não fora grande coisa até àquele momento, mas tudo indicava que podia melhorar. Ela sorriu mas nada disse, estendeu simplesmente a toalha uns três passos à minha frente e sentou-se admirando o mar. Aproximei-me e sentei-me a seu lado, guardando uma distância educada mas não conservadora, já que, tinha sido ela que convidativamente se aproximara.
Puxei um cigarro sem parcimónia com a secreta esperança que um novelo de fumo amenizasse a conversa e, pensando que no linguajar é que está o ganho, acendi-o. O clic-clac clássico do zipo de estimação, pareceu interessá-la. Perguntei-lhe se queria um cigarro… aquiesceu estendendo a mão. Passei-lhe o maço donde tirou um voltando a estendê-la pelo zipo que me apressei a colocar na alva e frágil mão que senti quente e macia. Acariciou-o como uma apreciadora enquanto lhe admirava a finura de dedos. Acendeu-o, protegendo a chama do pouco vento com uma delicada mão em concha e após uma forte puxada, perguntou-me o que fazia ali… respondi-lhe que descansava de um dia demasiado complicado, e, enquanto o fazia, embalado na orgia do prazer manobrava de forma a desenvencilhar-me da aliança que teimava em não sair do anelar. Nisto, num movimento rápido e inesperado, virou-se, e mostrando uns lindos olhos de azul inocente, disse que ia ali todos os dias àquela hora num ritual que se habituara a cumprir havia anos.
Eu sabia que ela me tinha visto na tentativa infrutífera de tirar a aliança e, ao ser apanhado, tinha enrubescido desmesuradamente como sempre acontecia quando era apanhado em falta no esvoaçar da minha capa de herói. Ela não desviara os olhos e eu não era capaz de a encarar. Refugiava-me na linha agora negra do horizonte e esperava que a brisa deste fim-de-tarde, num sopro arrefecedor, me devolvesse a cor original.
O tempo escorria e eu entregue à minudência matemática de contagem das ondas tentava, num pretendo impoluto, afastar qualquer culpa; eu era homem e ela uma mulher belíssima, a tentação tinha prevalecido, objectiva e subjectiva como todas as máscaras da alma humana.
O silêncio pesado durava há muito quando ela inesperadamente me perguntou: - Que faz aqui a esta hora, não é casado? O rubor voltou ainda mais desconfortável qual punidor da velhacaria anterior. - Sou e tenho dois filhos, acrescentei como que a penitenciar-me da nabice anterior já que o propósito estava frustrado. - Ama a sua família, voltou a perguntar. Após um instante respondi-lhe que sim, não valia a pena mentir, só faria papel de estúpido.
Estendeu então a mão para me cumprimentar, dizendo: - Chamo-me Marta, sou cega de nascença.

(*) Conto revisto e republicado a propósito do post anterior e porque me apeteceu.

29 comentários:

Maite disse...

Caro PiresF

Apeteceu-lhe e fez muito bem e é uma boa ilustração para o pensamento do post anterior.
A verdade e a simplicidade serão sinónimas? :)

Um excelente dia para si

isabel mendes ferreira disse...

do ensaio da cegueira revisitado pela mão da subtil ironia?



_______________.

re.volto. com o tempo que agora não tenho.
tenho as asas no alto de uma montanha....e não fui de asa delta,,,:) vim de asas largas e seguras.

beijo. S.
________________. e gosto. do conto.

tb disse...

Já o conhecia, mas agora parece ter-lhe achado outra poesia. :)
Ainda bem que o colocaste porque gostei de reler.
grande abraço

sá morais disse...

E apeteceu-te muito bem.
Lembraste-me coisas que nunca consegui colocar no papel... ainda...

Abraço!

Bandida disse...

ainda bem que te apeteceu...

beijo

Mié disse...

:))))

adorei!

muito bom...mesmo.

belo, leve e solto :)


um beijo

isabel mendes ferreira disse...

sou suspeita, por não ter o talento de contadora de contos(...), mas depois de ler e reler....só tenho uma palavra/exclamação que acho podem achar insólita, mas faz todo o sentido para mim:

__________________
COMOVENTE.


e saio. sem zip nem azul nos olhoa nem toalha na beira das palavras.


Clap clap clap.

beijo J.

Anónimo disse...

errata....:)

"nos olhos".....



ke koisa....passo a vida a enganar-me....



desculpe....me.


y.

isabel mendes ferreira disse...

a cegueira iluminada...a cegueira que vê? se vê?



a luz que se esconde na palma de uma mão...

raios....gosto tanto deste conto Pires F....

Bill disse...

Uma releitura viva nos olhos...
Doce e bom, cultivado como vinho, melhor sempre e sempre.

Uma frase, que na leitura inicial não tinha me chamado atenção mais que agora me saltou aos olhos e gostei muito.

"em falta no esvoaçar da minha capa de herói"

Sempre bom ler e reler suas palavras amigo.

Abraço.

GUILLERMO OSAR disse...

Boa republicação. porque sim.

Abraços, Caro PiresF

isabel mendes ferreira disse...

o.
b.
r.
i.
g.
a.
d.
a._________________muito.

Frioleiras disse...

lindo...

o conto...

contar,
e
encantar........


(ps: sobre o seu comm. no meu 'canto'... não percebi : tds os dias publico um post novo!!!...)

Mar Arável disse...

Agradeço a oportunidade

de ler este belo texto

Eu também já vi um cego chorar

lágrimas vivas

isabel mendes ferreira disse...

(trémula a pobre mão que se rende ao silêncio. da alma. e dos caminhos.in.partilháveis. mas sentíveis.)

: obrigada j.

___________________.


beijo.

isabel victor disse...

apetecível...

(já volto)

iv*

casa de passe disse...

gostei e andei..

andei para casa, onde me esperam os de lá.

LOULOU
(sem a beata da Nini, sem a Alice, sem o Avô e sem o safado do João)

isabel mendes ferreira disse...

escrever bem?


o que é?


.


não....estou apenas a exorcizar demónios....que um dia foram anjos....:)


. beijo re.grato. pela leitura.

isabel mendes ferreira disse...

e afinal....somos todos cegos?


_________________.

TCHI de Tchivinguiro disse...

Um conto de sentires a um só olhar de ver e diante de um olhar maior que o sentir.

Belíssimo conto.

isabel mendes ferreira disse...

somos. somos todos cegos. voluntariamente cegos.
como quem sabe que não vendo não sente vedando assim o coração ao vendaval da vida.

assertiva cegueira que assim desnuda o interior de quem se tapa!


beijo.

Anónimo disse...

Alguém me disse hoje ser este conto muito "semiótico"...

Que acha "suspeito-Maior"?


Será?

PiresF disse...

Caro(a) anónimo(a), de forma alguma. Este conto, tal como digo, é uma republicação.

Sinais só os de fumo, os dos índios. :)))

Anónimo disse...

Ah, muito obrigado pela explicação dos "índios".

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

chamo-me (...) e sou cega. por opção.

há cegueiras que matam. outras que servem para desvendar o profundo.


b.

isabel victor disse...

Passei para deixar um beijo

e um ... sorriso :))


Obrigada


iv*

O Espírito do Tai Chi disse...

Parabéns,

Gostei muito desta "short-story"...
Com sua "licença" irei copiá-la e publicá-la.

António Serra

Carla Silva e Cunha disse...

sempre muito interessante


http://www.arte-e-ponto.blogspot.com