Sporting 5 – 3 Benfica, em 90 minutos inesquecíveis.

Alvalade ao rubro num “derby” fantástico que, foi só o melhor dos últimos anos.

A catástrofe rondava Alvalade e todos a pressentiam, ao intervalo o Sporting perdia por dois a zero. Recomeça o jogo e o Sporting mostra que vem com outra garra, mais arrumado devido à rectificação de algumas posições e vontade de acabar com aquele purgatório mas, ainda assim, faltava qualquer coisa. Finalmente, Paulo Bento, olha para o relógio e confirma que restam 28 minutos para virar um jogo onde deu 2 golos de avanço ao adversário e, aos 62 minutos, decide que é já tempo de jogar com 11. Troca o ausente Romagnoli por Derlei, e agora com cinco avançados, arranca para uma extraordinária exibição que acaba com o que restava do Benfica, que até tinha sido, por culpa do velhinho Rui Costa, Di Maria e Rodriguez, uma equipa de excelente caudal ofensivo.
João Moutinho, o carácter, o capitão e verdadeiro maestro de Alvalade, com a sua batuta supermotivava e embalava o Sporting, para uma grande exibição e um resultado volumoso, que as torres Luisão, Katsouranis e Quim, adiaram até aos 68 minutos quando, definitivamente, o canavial começou a abanar.

Mas gritar 5 golos e viver a grande emoção de ver o Leão, qual Fénix, renascer das próprias cinzas, deixou-me rouco, por isso, dou voz ao Luís Sobral, do Mais Futebol, que só pode ser um gajo muito porreiro.

“Vukcevic apareceu sobre a direita, deu a volta ao romeno e cruzou para o golo de Yannick. Faltavam 22 minutos, o «derby» estava emocionante.
O Sporting empolgava. Era uma torrente de futebol de ataque. Uma, duas, três oportunidades, Quim a salvar o Benfica do empate. Ninguém respirava. O melhor jogo do ano? Sim, sim, mil vezes sim!

Derlei era agora o companheiro de Liedson, sete meses depois. Yannick jogava nas costas de ambos. Izmailov estava em grande, João Moutinho parecia segurar sozinho o meio-campo e finalmente havia Vukcevic. «Até morrer!», gritavam os sportinguistas. E parecia. Insistência do capitão pela direita, cruzamento e Liedson de primeira para o 2-2!

O que faltava ao Sporting? Ganhar 3-2 com um golo de Derlei. Assim foi. Os «leões» viviam uma daquelas noites que os avós contarão daqui a uns anos aos netos. Cruzamento de Izmailov e entrada do «11» para a baliza. Festa? Cedo de mais. A bola chegou à grande área de Rui Patrício, sobrou para Rodriguez e 3-3. Não havia táctica, apenas alma. Não havia sinal de crise, apenas o desejo de heroísmo. Ninguém mandava no melhor jogo da temporada, o mais espantoso «derby» desde os 7-1 e 6-3. Era como se as duas equipas quisessem compensar os adeptos por tanta amargura. Corriam, corriam. Podiam tudo. Yannick Djaló pegou na bola, foi direito a Luisão. Tinha duas opções de passe. Claro que seguiu em frente. Claro que rematou. Claro que foi golo. 4-3. Claro que ainda houve mais um. 5-3, agora Vukcevic. O Sporting derrubou o Benfica naquele que começou por ser o «derby» das crises e terminou com uma das mais brilhantes páginas da história centenária dos dois clubes.”

Para lembrar hoje, amanhã e sempre:


Local: Estádio José de Alvalade (Assistência: 37 224)

Árbitro: Jorge Sousa (Porto)

SPORTING: Rui Patrício, Abel, Tonel, Miguel Veloso, Leandro Grimi, Adrien Silva (Izmailov 34m), João Moutinho, Vukcevic, Romagnoli (Derlei 62m), Yannick Djaló (Gladstone 86m), Liedson.

(Suplentes: Tiago, Gladstone, Pedro Silva, Pereirinha, Izmailov, Derlei e Tiuí).

Treinador: Paulo Bento

BENFICA: Quim, Nélson, Luisão, Katsouranis, Léo, Petit (Cardozo 85m), Maxi Pereira, Rui Costa, Cristian Rodriguez, Di María (Sepsi 65m), Nuno Gomes.

(Suplentes: Butt, Sepsi, Edcarlos, Luís Filipe, Binya, Mantorras e Cardozo).

Treinador: Fernando Chalana

Marcador: 0-1 Rui Costa (19m) 0-2 Nuno Gomes (30m) 1-2 Yannick Djaló (67m) 2-2 Liedson (76m), 3-2 Derlei (79m) 3-3, Cristian Rodriguez (81m), 4-3 Yannick Djaló (84m) 5-3 Vukcevic (90m+2m)

8 comentários:

Bill disse...

Acabei de ver o reprise, tinha que vir aqui né (=

Grande e Feroz Leão (=

Aleez sporting aleeez

Que venha o Porto \o/

Abraço amigo

[s]s

MiE disse...

dizem, dissertam que 5 a 3 foi a conta que Deus fez :))


realmente, há muito tempo que não via um jogo assim, deve ter sido um delírio para quem lá esteve.

mas...


eu sou portista :)))


venha o próximo no Jamor.



deixo um beijo

desportista :)

mac disse...

Foi mesmo 1 jogo impróprio para cardíacos. O leão mostrou mesmo as suas garras. Acreditaram até ao fim e nunca baixaram os braços. É assim mesmo!! SPORTING!!

Lyra disse...

Foram todos golos muito...felinos!!! Eheheheh

Beijinhos e até breve.

;O)

PortoCroft disse...

Parabéns!, por muito que me custe... ;)

P.S. - Aos meus netos não tenciono co ntar humilhações destas. :)

Oliver Pickwick disse...

Pelo visto és um fanático por futebol e, especialmente pelo Sporting, é claro.
De tão detalhado, o seu post é na prática a reexibição do jogo, inclusive com flashes de reportagens.
Apesar de pertencer ao "país do futebol", não sou assim tão fundamentalista como você. Tenho um time da minha simpatia em alguns países. Barcelona, em Espanha; Milan, na Itália, dentre outros. Aí em Portugal, é o Benfica.
No Brasil, sou torcedor do Bahia, um time do meu estado.
Parabéns ao Sporting pela conquista.
Um abraço!

isabel mendes ferreira disse...

ía morrendo....:).






beijos.



verdes.

:)

Barqueira disse...

Desde esse jogo que decidi, aos 58 anos, imagina, aprender a fazer camisolas de tricot. Sempre se podem mandar para os amaricanos do Iraque quando o frio chegar ao deserto.

bfs.

:)