Florbela Espanca




Amar!

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...


Ser poeta!

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

8 comentários:

Valkye disse...

Ah.. amo a delicada e sutil forma de Florbela escrever.
Poemas lindos.

Bill disse...

Florbela Espanca bom para a alma =]

[s]s

Nocas disse...

Mais palavras para quê?! São dos meus poemas favoritos....fico sempre a pensar na grandeza do espírito que escreve sentimentos assim...Ela tinha essa grandeza!

Nina disse...

Aaaamooo demais essa mulher, você nem sabe o quanto!
Incrível uma mulher carregar ao mesmo tempo tanta dor e beleza na alma, né?
=]
Arrasou, PiresF...

Eremita Baptista disse...

boa escolha...genial poetisa...abraços.

Rui Martins disse...

Florbela e Pessoa, cada qual na sua própria maneira de ser, são sem duvida os dois maiores poetas portugueses de sempre.

boleia disse...

que bela homenagem... Obrigada!

Anónimo disse...

Looking for information and found it at this great site... » »