Da economia dos afectos

[...] a família está em desagregação, nas grandes cidades. As separações, os divórcios com todas as sequelas que arrastam; a adolescência cada vez mais ameaçada, os pais que já não sabem lidar com os filhos; a solidão crescente das mulheres, jovens e menos jovens; o abandono dos velhos; a baixa taxa de natalidade; o desaparecimento da sociedade rural, a falta de emprego, etc., etc. - tudo isso contribui para o desaparecimento da antiga família, regida por normas tradicionais ancestrais. Família que, de um ponto de vista geral - com todos os conflitos e disfunções que lhe são inerentes - constituía um núcleo de base que agia positivamente para a manutenção do equilíbrio do campo social.
Portugal, Hoje: O Medo de Existir de José Gil

8 comentários:

zedtee disse...

Sem pretender quaisquer comparações, permita-me que lhe cite um extracto dum post meu (http://sem-terra.weblog.com.pt/arquivo/2004/08/do_facilitismo.html), a título de achega para a discussão:
Os pais não estão lá. Os avós foram para o lar de terceira idade, também por razões económicas. Os jovens crescem sem os valores que antes eram passados no seio da família, de geração em geração, e que evoluiam à medida que o conhecimento humano se ampliava. Mas a família mudou, dizem alguns. A família está em vias extinção, atrevo-me eu a dizer, e não é substituída pelo que quer que seja. E a solidariedade, que se aprendia em família, dá lugar a uma competitividade já para além de qualquer sentido.

PiresF disse...

Caro Zedtee, li o seu post e tanto o Zedtee, como José Gil e no fundo todos nós, sabemos as causas, não temos é a chave para a sua resolução.
Tem vindo a desmoronar-se o equilíbrio que constituía o núcleo base da família e por consequência a sua manutenção e são necessárias alternativas urgentes, é necessário um repositório de valores.

zedtee disse...

Penso que a solução passaria por uma série de mudanças profundas na sociedade cujo preço ninguém está disposto a pagar... Mas talvez o aumento do desemprego venha introduzir (obrigar a) alguma reestruturação.

PiresF disse...

Concordo consigo e quando diz “talvez o aumento do desemprego venha introduzir (obrigar a) alguma reestruturação”, na verdade parece que é só essa a solução que nos resta, ao contrário dos alemães que já têem um plano de subsídio à maternidade que vai salvo erro até aos quatro anos.

Petra disse...

Nao sejas mal agradecido... tu até tens uma familia "SIMBIOTICA"

Anónimo disse...

You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it Bent over milf 'free and clear debt help' gay saunas in iyaly projector throw ratio calculation auto brake caliper covers philips dvd 621 dvd player

Anónimo disse...

What a great site » » »

Anónimo disse...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. »